A Fundação participa do 6º Encontro Sul Brasileiro de Movimentos Sociais

2016-09-02 5 Comentários ADM ABAI

A Fundação Vida para Todos ABAI, representada pelo funcionário Luis Carlos Martins, do setor de administração, participou do 6º Encontro Sulbrasileiro de Organizações e Movimentos Sociais, nos dias 30 e 31 de agosto, em Francisco Beltrão, Paraná. O Encontro, realizado na sede da ASSESOAR, promovido pela ABONG, serviu para rever o contexto político e social das entidades frente a atual realidade política do Brasil, sua reestruturação e reorganização frente a nova conjuntura política, focando principalmente na formação das entidades para conseguir recursos de autosustentação, governamentais ou não.

A partir do encontro foi elaborada a seguinte carta reproduzida abaixo:

Carta do VI Encontro Sulbrasileiro de Organizações e Movimentos Sociais

Nós, trabalhadoras e trabalhadores do campo e da cidade, das organizações e movimentos sociais do sul do Brasil, reunidos no VI Encontro Sulbrasileiro em Francisco Beltrão, manifestamos nossa indignação e revolta ao golpe contra democracia e a retirada dos direitos do povo brasileiro. A ruptura à democracia perpetrada pelas elites não visa apenas a destituição de uma Presidenta legitimamente eleita por 54 milhões de brasileiras e brasileiros, mas atacar os direitos conquistados e, principalmente, entregar as riquezas nacionais ao capital financeiro internacional nos colocando de joelhos frente as grandes potencias mundiais.

Estamos convencidos que o retrocesso em andamento são motivados pelos acertos implementados através das politicas sociais de inclusão das mulheres, negras e negros, juventudes, trabalhadores rurais e urbanos, movimentos populares urbanos e rurais, povos tradicionais, indígenas, quilombolas, de matriz africana, movimentos LGBT e tantos outros historicamente invisíveis e à margem das políticas do estado brasileiro. Neste sentido, reafirmamos a importância da implementação das politicas de acesso e transparência a recursos públicos recém conquistados, em especial, pela aprovação do Marco Regulatório efetivado pela Lei Federal 13.019/2014. 

Reafirmamos que o único caminho para o povo brasileiro é a resistência e luta cotidiana contra a retirada de direitos, pela radicalização da democracia garantindo a soberania nacional. Isso só será possível com a unidade dos movimentos populares, fortalecendo sua autonomia em relação ao estado e aos governos, garantindo a articulação com os demais movimentos populares latino-americanos, rumo a construção do Projeto Popular. 

Resistência, Unidade Popular e Luta! Francisco Beltrão, 31 de Agosto de 2016.

VER MAIS NOTÍCIAS